Terramay: a Agricultura Regenerativa a partir do Alentejo

A Terramay Portugal, herdade com 562 hectares, localizada na freguesia do Ros√°rio, concelho do Alandroal, Alentejo, √© um projeto de Agricultura Regenerativa 100% natural, que tem como miss√£o criar um ecossistema equilibrado que produza alimentos saud√°veis, tratando o meio ambiente e os animais com o respeito que merecem. A quinta conta com bovinos de ra√ßa mertolenga, porco preto alentejano, cabras serpentinas, ovelhas merino, cavalos e galinhas de ra√ßa aut√≥ctone, e diferencia-se pela sustentabilidade, neutralidade carb√≥nica e a preocupa√ß√£o com a regenera√ß√£o dos ecossistemas. Fal√°mos com David de Brito, 36 anos, que nos d√° a conhecer o projeto de vida que lan√ßou nas margens do Alqueva. ‚ÄúCada vez mais √© necess√°rio criar condi√ß√Ķes para oferecer perspetivas a jovens que queiram dedicar a sua vida √† Agricultura Regenerativa e de proximidade. Sem esse investimento, iremos presenciar a cont√≠nua desertifica√ß√£o da paisagem, da comunidade e da cultura‚ÄĚ.¬†

Jovem Agricultor, o percurso de David n√£o come√ßa na Agricultura. Foi digital strategist, business consultant e empres√°rio. Mas hoje, √© nas margens do Alqueva, que d√° corpo a um projeto que nasceu com a chegada do seu segundo filho, como conta. ‚ÄúDespedi-me do projeto que na altura liderava porque vivia muito longe de casa e, foi durante esse interregno, que me apercebi da condi√ß√£o do planeta e das altera√ß√Ķes clim√°ticas e decidi, no meu futuro, trabalhar apenas com o intuito de travar ou lutar contra a desertifica√ß√£o e por um futuro melhor para os meus filhos‚ÄĚ, explica.

Depois de procurar, durante quatro anos, com a mulher Anna e o melhor amigo, Thomas, encontrou a Terramay (562 ha) para onde se mudou a 15 de novembro de 2018. Um dos princ√≠pios basilares do projeto √© a Agricultura Regenerativa, que, como salienta, ‚Äú√© um sistema de princ√≠pios e pr√°ticas agr√≠colas que aumenta a biodiversidade, enriquece os solos, melhora as bacias hidrogr√°ficas e os ecossistemas‚ÄĚ.

A Agricultura Regenerativa visa capturar carbono no solo e na biomassa acima do solo, revertendo a atual tend√™ncia global de acumula√ß√£o atmosf√©rica. Ao mesmo tempo, oferece maiores rendimentos, resili√™ncia √† instabilidade clim√°tica e maior sa√ļde e vitalidade √†s comunidades agr√≠colas e pecu√°rias. “O sistema baseia-se em d√©cadas de pesquisa cient√≠fica e experi√™ncias levadas a cabo pelas comunidades globais de Agricultura Biol√≥gica, Agricultura Sintr√≥pica, Permacultura, Agricultura Natural e Maneio Hol√≠stico‚ÄĚ, adianta David de Brito.

Para podermos perceber o conceito da herdade, o Jovem Agricultor lembra os cinco princípios base da Agricultura Regenerativa: minimizar toda a mobilização de solos, maximizar a biodiversidade, manter o solo sempre coberto, foco em culturas perenes e raízes vivas durante todo o ano e integrar os animais na gestão dos solos e paisagem.

Atualmente produz vegetais, frutas, transformados de vegetais, mel, azeite, leite de cabra, queijo de cabra, carne de cabrito pasto Bio, carne de borrego de pasto Bio, carne de porco preto alentejano 100% Bolota Bio, enchidos de porco preto alentejano 100% Bolota Bio, carne de vaca mertolenga 100% Pasto Bio e ovos.

Os produtos s√£o vendidos em forma de cabazes para o cliente final, para restaurantes com estrela Michelin, sazonais e com preocupa√ß√Ķes ecol√≥gicas, ‚Äúe tamb√©m para o nosso pr√≥prio restaurante Raya e para alguns parceiros na Su√≠√ßa‚ÄĚ.

Pecuária 

Uma das vertentes da Terramay √© o projeto pecu√°rio, que para David de Brito, √© ‚Äúimportant√≠ssimo, pois todos os animais t√™m uma fun√ß√£o na quinta‚ÄĚ. Com as vacas, ‚Äúcultivamos prados e pastagens permanentes e usamos o gado para ‚Äėcolher‚Äô as pastagens, √† medida que o fazem, as vacas pisoteiam a biomassa para ajudar a cobrir e proteger o solo. Os nutrientes n√£o utilizados pelo sistema digestivo s√£o depositados na terra para ajudar a alimentar a biologia do solo, de forma direta e imediatamente acess√≠vel, que nos permite por sua vez, produzir mais pastagens‚ÄĚ.

David de Brito

E acrescenta: ‚Äúal√©m disso, √† medida que pastam nas nossas pastagens, s√£o elas que transportam a biodiversidade (sementes) de um ponto da quinta para o outro, com as sementes que ingerem reduzindo a necessidade de sementeiras mecanizadas. Mais, no caso das nossas vacas, que s√£o mertolengas, s√£o elas que usam os pontos da quinta onde seria muito dif√≠cil ter uma produ√ß√£o agr√≠cola onde fossem necess√°rias m√°quinas‚ÄĚ. Quanto √†s ovelhas, ‚Äúusamos nas entrelinhas dos pomares quando precisamos controlar o crescimento de ervas espont√Ęneas ou pastagens por n√≥s semeadas. Tamb√©m utilizamos as vacas para este objetivo, mas apenas pouco depois de serem desmamadas. Curiosamente compactam menos o solo que uma ovelha‚ÄĚ.

As cabras s√£o usadas para controlo de mato na quinta, os porcos ‚Äúquando pretendemos lavrar uma parcela onde venha a ser algo cultivado sem recorrer aos tratores‚ÄĚ e as galinhas ‚Äúusamos para combater infestantes e parasitas nas nossas hortas e agroflorestas e tamb√©m para acelerar o processo de decomposi√ß√£o do esterco das nossas vacas, principalmente durante os meses quentes e sem humidade‚ÄĚ.

Quinta biológica

Uma das apostas do projeto, desde o in√≠cio, √© a produ√ß√£o de alimentos saud√°veis a partir da quinta biol√≥gica. Sobre a import√Ęncia dos alimentos mais equilibrados, o respons√°vel da Terramay salienta que ‚Äúh√° cada vez mais pessoas interessadas em produtos de qualidade, verdadeiramente saud√°veis e que fazem bem ao ambiente e no conceito ‚ÄėOne Health – Solo s√£o, planta s√£, animal s√£o, planeta s√£o‚Äô”.

O pre√ßo, real√ßa David, continua a ser a maior barreira para o consumidor portugu√™s que tem, infelizmente, pouco poder de compra. ‚ÄúDe qualquer das formas, muitas pessoas j√° perceberam que ao investir em legumes de qualidade, com muitas vitaminas, densos em nutrientes e sem qualquer tipo de qu√≠micos est√£o, assim, a ganhar na longevidade, na sa√ļde, na qualidade de vida e a poupar na conta do m√©dico, que provavelmente todos teremos quando formos mais velhos, depois de termos passado a nossa vida a consumir qu√≠micos e pesticidas que s√£o produzidos pelas mesmas empresas que nos vendem medicamentos quando estamos doentes‚ÄĚ, avisa o Jovem Agricultor.

Nesta linha, considera que ‚Äúenquanto o Estado n√£o perceber que quem precisa de ser controlado, certificado, taxado e obrigado a refer√™ncias especiais nas embalagens, deveriam ser aqueles que produzem ‚Äėveneno‚Äô para o corpo e para o solo, ser√°, pois, quase imposs√≠vel para os mais necessitados e para a classe m√©dia aderirem a produtos de agricultura regenerativa‚ÄĚ.¬†

Para David de Brito ‚Äú√© um desafio enorme ser agricultor em Portugal e, mais ainda, fazer um projeto como o nosso com tantos segmentos de neg√≥cios diferentes. Continua a ser muito mais f√°cil explorar monoculturas, a todos os n√≠veis, e a verdade dos agricultores √© que n√£o h√° ecologia sem economia. At√© agora, para al√©m do Freixo do Meio, n√£o h√° nenhuma quinta que fa√ßa no nosso Pa√≠s o mesmo que n√≥s, portanto, acho que cada vez mais √© necess√°rio criar condi√ß√Ķes para oferecer perspetivas a jovens que queiram dedicar a sua vida √† agricultura regenerativa e de proximidade, que √© positiva tanto para a natureza como para a comunidade. Sem esse investimento iremos presenciar a cont√≠nua desertifica√ß√£o da paisagem, da comunidade e da cultura‚ÄĚ.

Considera, por isso, que fazem mais falta projetos de jovens no Interior do Pa√≠s, e que contribuam para as economias regionais e combate √† desertifica√ß√£o. ‚ÄúS√£o projetos como o nosso que contribuem para a economia local, para fixar pessoas e para garantir a transfer√™ncia de conhecimento e cultura que √© t√£o importante. Por exemplo, n√≥s com toda a nossa opera√ß√£o (inclusive restaura√ß√£o) somos uma equipa de 26 pessoas fixas, que dinamizam o produto do trabalho nos nossos 560 hectares‚ÄĚ. E em jeito de conclus√£o deixa uma pergunta no ar: ‚Äúquantos funcion√°rios fixos trabalham numa explora√ß√£o de olival intensivo com 1000 hectares?‚ÄĚ.

Saiba mais aqui. 

Cabazes Terramay chegam a Lisboa

Agora j√° √© poss√≠vel receber em casa produtos da quinta biol√≥gica Terramay, numa parceria com o Talho das Manas. Todas as semanas h√° um novo cabaz com hort√≠colas sazonais, que inclui uma sopa, um preparado para uma refei√ß√£o r√°pida, e produtos 100% naturais. √Č complementado com receitas e dicas para utilizar os produtos que o comp√Ķem. Conveni√™ncia aliada a zero desperd√≠cio. √Ä base de hort√≠colas sazonais e produtos 100% naturais, o Cabaz Terramay, √© composto por uma sopa, um preparado, como um molho ou tempero, para uma refei√ß√£o r√°pida, e vegetais da quinta de agricultura regenerativa alentejana. Cada cabaz, com o valor de 25‚ā¨, inclui ainda uma receita e outras sugest√Ķes para utilizar os preparados e os produtos, assentando no conceito de conveni√™ncia e zero desperd√≠cio, para ajudar a tirar o melhor partido de todos os sabores e de todos os nutrientes, que s√£o uma verdadeira fonte de sa√ļde.

Nota: artigo publicado na edi√ß√£o¬†n.¬ļ 135 ‚Äď Revista Jovens Agricultores¬†da AJAP. A sua reprodu√ß√£o, parcial ou na √≠ntegra, requer autoriza√ß√£o pr√©via da AJAP.