Notícias
sexta, 11 maio 2018 16:40 Written by

Realizou-se no início do mês de maio, o II Fórum Qualidade e Competitividade Agroalimentar em Maputo, que levou a cabo a criação de bases de trabalho para diversas iniciativas, desenvolvidas ao abrigo do COMPETE2020 – SIAC Sistema de Apoio a Ações Coletivas (Internacionalização), potenciando a competitividade do setor agroalimentar.

Enquadrado na Campanha Promocional Portugal Gourmet, foram divulgados alguns produtos tradicionais portugueses produzidos por Jovens Agricultores e Jovens Empresários Rurais. Queijos, enchidos, presunto e azeite foram o prato forte de degustação em terras brasileiras e moçambicanas, a par de uma reflexão sobre as oportunidades e desafios do setor agroalimentar, reforçando não só a importância das trocas comerciais, como o câmbio e disseminação de conhecimento.

Foi pela voz de distintos oradores, que foi feita a abordagem aos temas em destaque: Parcerias – Um Desafio do Agroalimentar e a Valorização dos Produtos Agrícolas no Mercado Global. Pontos que geraram diferentes reflexões, e que voltaram a evocar o contributo que a AJAP pode ceder às organizações de agricultores moçambicanas, através de estruturas empresariais conjuntas e ações planeadas.

O caminho da AJAP em Moçambique tem-se vindo a construir através de diferentes projetos de Cooperação, usando de forma profícua os avanços registados no setor agrícola português e colocá-los ao serviço da agricultura moçambicana. Neste sentido, o Fórum realizado foi mais um marco importante para a interligação entre os dois países.

IMAGEM-14.1.jpg

Dr. Salimo Abdula

 

IMAGEM-14.2.jpg

Dr.ª Maria Amélia Paiva

 

IMAGEM-14.3.jpg

Eng.º Firmino Cordeiro e Dr. Salim Cripton Valá

IMAGEM-14.4.jpg

Sr. José Alcobia, Dr.ª Jane Grobe, Dr.ª Mariana Matos, Srº Moreira da Silva, Eng.º Davide Freitas, Dr. João Jeque

 

IMAGEM-14.5.jpg

Engº Alcino Sanfins, Dr. Júlio Costa, Dr. Paulo Ramalho, Dr. Soares Xerinda, Dr. Cecílio Valentim

 

 

segunda, 11 junho 2018 16:32 Written by

Decorreu no Centro Nacional de Exposições de Santarém a 55ª Feira Nacional de Agricultura, evento que levou a terras ribatejanas centenas de visitantes.

Durante dez dias, uma composição abrangente de expositores foram ocupados por empresas que promoveram os seus produtos, mostraram novas dinâmicas e tecnologias aplicadas ao setor agrícola e, consequentemente abriu novas oportunidades à concretização de negócios e parcerias. A AJAP participou, uma vez mais, neste importante evento com um stand inovador, disponibilizando informação, e revelando parte do seu trabalho através da divulgação de vídeos, panfletos e da Revista Jovens Agricultores, que providenciou no decorrer da feira.

Entre conferências, seminários e colóquios, destacou-se o “World Olive Oil Summit”, trazendo o azeite (tema central desta edição) à narrativa de especialistas nacionais e internacionais da fileira e ao paladar de quem participou nas ações de show cooking.

Com distinção, decorreu também a conferência “Os Grandes Desafios para a Agricultura no Futuro” na qual esteve presente o 1ª Ministro, António Costa, o Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, o Comissário Europeu da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan e o Comissário Europeu para a Ciência, Investigação e Inovação, Carlos Moedas. Esta iniciativa revelou-se um enorme sucesso, enchendo o grande auditório de agricultores, especialistas do setor agrícola e curiosos.

Breves excertos dos discursos proferidos pelo 1º Ministro e pelo Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, na conferência:

1º Ministro, António Costa:No ano passado vivemos seguramente o ano mais dramático de sempre. O risco de incêndio florestal tem causas múltiplas, as alterações climáticas, a estrutura interna da floresta, mas, tem uma causa absolutamente essencial, tem a ver com o despovoamento e o abandono do interior. Um país que precisa de crescer, como nós precisamos, tem que conseguir maximizar todo o seu potencial de crescimento. É claro que este potencial é enorme nas áreas metropolitanas, mas, há um enorme potencial de crescimento que está por aproveitar nesse interior que nos habituamos a abandonar e temos que agora ser capazes de investir, revalorizar, porque está aí muito por fruir. Para aproveitar esse interior, os programas de desenvolvimento rural são absolutamente essenciais. Hoje, há uma consciência coletiva do país de que não podemos continuar a desperdiçar esta riqueza do interior… Ainda ontem, foi aprovado o estatuto da pequena agricultura familiar, estamos a desenvolver o estatuto do Jovem Empresário Rural, porque há hoje uma nova consciência e uma nova disponibilidade das novas gerações de olharem para a agricultura com um olhar diferente da agricultura do passado. A agricultura passou a ser um projeto atrativo, futuro e aliciante para as jovens gerações e, a esse momento nós não podemos desperdiçar. Só há verdadeira riqueza investindo na produção, e a produção significa agricultura, indústria, e é essa a linha que nós vamos seguir.”

Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos: “Todos temos consciência do contexto político europeu e internacional que vivemos e no caso específico da UE marcado pelas consequências do Brexit. O impacto da Comissão para Portugal é um aparente paradoxo, uma vez que pode ser considerada boa para os agricultores, mas é insustentável para o desenvolvimento nacional. Se nos concentrarmos nos aspetos financeiros, a proposta da Comissão traduzir-se-ia num aumento médio de 4% nos pagamentos diretos e num corte de 15% no segundo pilar. Portugal não pode aceitar que seja essencialmente a agricultura a pagar as consequências do Brexit, e muito menos que dentro do orçamento agrícola seja o segundo pilar, praticamente a única variável de ajustamento; não consideramos justo que ao primeiro pilar, que representa 80% do orçamento comunitário, seja aplicado um corte neutro de pouco mais de 1% e, ao segundo pilar seja aplicado um corte de 15% igual para todos, ignorando-se que alguns estados membros como é o caso de Portugal, este pilar representa cerca de 50% do seu envelope nacional.”

IMAGEM-13.1.jpg

 

IMAGEM-13.2.jpg

Conferência sobre os Grandes Desafios para a Agricultura no Futuro

 

quarta, 20 junho 2018 16:28 Written by

Decorreu no passado dia 19 de junho, no Porto, a 10ª Conferência da Vida Rural, com enfoque no tema “Eficienciocultura”. Uma abordagem que invoca a eficiência dos sistemas de produção como uma aposta estratégica para todos os agricultores que procuram com menos recursos, produzir cada vez mais e melhor.

Numa era em que a densidade da informação permite tomadas de decisão mais salutares, procura-se a simbiose necessária entre as melhores práticas agrícolas e a agricultura sustentável, que conduzam a uma maior rentabilidade. Nesta perspetiva, a Conferência realizada teve como painéis de debate: “Gerir informação: o ponto crítico”; “Viticultura de precisão e sustentabilidade: o caso da Symington”; “Produção de energia: a oportunidade”; “A tecnologia como resposta à agricultura do futuro”; “Desafios da eficiência na pequena dimensão”.

A Associação dos Jovens Agricultores de Portugal foi convidada a fazer parte deste colóquio, tendo sido representada pelo Diretor Geral, Firmino Cordeiro, orador no último tema do painel, deixando claro que é necessário investir e apoiar a pequena agricultura e manter a pressão em alta na instalação, apoio e acompanhamento aos jovens agricultores.

IMAGEM 12.jpg